Skip to content

Selecione o texto para escutar

Balneário Camboriú se prepara para a safra da tainha

Na próxima segunda-feira (1°), inicia a Temporada de Pesca da Tainha, que segue até o dia 31 de julho. Em Balneário Camboriú, serão nove pontos identificamos para a pesca espalhados nas praias do município. Na Praia Central, três pontos estarão identificados (Rua 3.100, Rua 3.700 e Rua 4.000). As praias de Laranjeiras, Taquaras, Taquarinhas, Pinho, Estaleiro e Estaleirinho, terão um ponto de apoio cada.

A pesca da tainha é considerada patrimônio cultural de Balneário Camboriú e de Santa Catarina. A atividade é uma característica da cultura local, um retrato do modo de vida peculiar dos pescadores do litoral catarinense. Cerca de 200 famílias vivem da pesca artesanal da tainha em Balneário Camboriú.

A temporada de pesca conta com o apoio da Prefeitura de Balneário Camboriú e da Polícia Militar. A Fundação Cultural e a Secretaria do Meio Ambiente atuarão em conjunto com a Colônia de Pescadores Z-7, dando estrutura de apoio, orientações e fiscalizando a atividade. Em Balneário Camboriú, há ranchos tradicionais e centenários, além de um acervo com exemplares de canoas bordadas.

Durante a temporada, não é permitido o uso de armação de redes de pesca tipo feiticeira e de malha, além do uso de cilibrim e fisgas. Também é proibido o uso de jet skis, lanchas rebocadoras e embarcações motorizadas nas orlas das praias.

Curiosidades sobre a pesca artesanal da tainha:

  • Os cardumes de tainha (Mugil liza) iniciam a migração reprodutiva, saindo dos estuários e lagunas costeiras para a desova no mar. É durante essa migração que acontece a captura do peixe.
  • As canoas usadas são as chamadas “canoas de um pau só” ou “canoas bordadas”. São esculpidas a partir de um tronco maciço de uma única árvore de garapuvu. As canoas são cada vez mais raras pela impossibilidade de abater a árvore.
  • As cores das embarcações não são aleatórias. As embarcações são pintadas de cores contrastantes para facilitar a visualização da canoa no mar.
  • Cada pescador tem sua função: o vigia (que fica no aguardo do cardume apontar no mar), dois remadores, um chumbereiro (que lança as redes), o patrão (que direciona o cerco). A puxada normalmente conta com ajudadores ocasionais (passantes voluntários, que são recompensados com uma fração do pescado).
  • A lei nº 4.327, de 18 de outubro de 2019, declarou a pesca artesanal para captura de tainha patrimônio cultural imaterial de Balneário Camboriú.

__________________________________

Informações Adicionais:

Fundação Cultural de Balneário Camboriú
(47) 3267-7011

Diretoria de Comunicação
Estagiária de Jornalismo: Camili Guckert

Leia também

Resultado da análise documental – Habilitados LIC 2024
A Fundação Cultural de Balneário Camboriú, em cumprimento aos termos do Edital nº 013/2023 – LIC Prêmio 2024, torna pública a lista dos proponentes HABILITADOS, após análise documental das inscrições
Read More
Resultado Preliminar – Lei Paulo Gustavo 2024
A Fundação Cultural de Balneário Camboriú torna público o resultado parcial do Edital 001/2024 de Seleção de Projeto Cultural de Audiovisual para firmar Contrato de Execução Cultural com recursos federais
Read More
16/02/2024 – (Retificação) Portaria Nº 002/2024/FCBC – Comissão de Seleção Edital 001/2024 Audiovisual LPG
A Presidente da Fundação Cultural de Balneário Camboriú, no uso de suas atribuições legais eregulamentares, resolve retificar os membros para compor a Comissão de Seleção, selecionadosentre os curadores credenciados pelo
Read More
Pular para o conteúdo