Vencedores do Festival da Canção Infantojuvenil, na categoria autoral, planejam continuar cantando e compondo

Vencedores do Festival da Canção Infantojuvenil, na categoria autoral, planejam continuar cantando e compondo

 

festival-da-cancao-infantojuvenil-vencedores-4

Um deles nunca tinha cantado em público, é bem tímido e escreve poesias. O outro, já participava de batalhas de rap, mas, não menos tímido, fugia de apresentações na frente de conhecidos. Juntos, os dois estudantes do 2º ano da Escola Estadual Maria da Glória Pereira, Roberto Leonam Santos do Rosário e Felipe Fagundes, acompanhados do colega do 3º, Edinan Barbosa, ganharam o Festival da Canção Infantojuvenil, no último dia 2, na categoria autoral.

Eles apresentaram no palco do Teatro Bruno Nitz, em Balneário Camboriú, a música “180”, sobre violência doméstica. O sucesso foi tanto que o trio, formado poucas semanas antes do evento e ainda sem nome, pretende continuar junto.

Os primeiros versos de “180” surgiram quando Roberto, 17 anos, fez um poema sobre violência contra a mulher. O tema seria trabalhado pela turma 204, em um projeto sobre cultura e diversidade. A professora de Português e regente da turma, Eliane Nunes dos Santos, foi a grande incentivadora dos meninos.

“Quando li o poema, vi que era letra de música”, relata a professora.

De imediato e surpreendendo Eliane, o tímido Roberto se propôs a cantar a poesia. A professora logo pensou na formação de uma banda. No outro canto da sala, estava Felipe, 17. No início, Felipe pensou ser incapaz de cantar aquela composição, afinal, a especialidade dele era rap. Mas, superando-se, continuou a letra e fez estrofes em rap. Como nenhum deles toca instrumentos, convidaram Edinan, que, com seu violão, fez a melodia. Faltava ainda vencer outro obstáculo: mostrar o resultado à escola. Envergonhado, Felipe sugeriu gravar um vídeo e exibi-lo na escola. E assim, enquanto eles cantavam na gravação, apareciam imagens, encontradas na Internet, de mulheres agredidas.

A professora adorou a música e os convenceu a ir além do trabalho escolar. Ela os desafiou a inscrever a composição no Festival da Canção Infantojuvenil. Nos dias em que se apresentaram, tiveram de cantar ao vivo, não havia outra alternativa.

“Foi a primeira vez que cantei em público, estava bem nervoso. Achei que eu nem conseguiria cantar direito. Eu nem imaginava que a gente ia ganhar, nem acredito ainda”, conta o baiano Roberto, morador de Balneário Camboriú há três anos. Foi no seu estado de origem que conheceu os primeiros casos de violência doméstica. Felipe deu o nome “180” à canção, uma referência ao Ligue 180, o qual recebe denúncias de violência contra a mulher. O contato dele com o tema não é só por meio de internet e veículos de comunicação:

“Moro num bairro em que ocorrem muitos casos de agressão às mulheres”, diz o adolescente.

Felipe também teve de vencer a timidez para cantar para um público tão grande.

“Participo de batalha de rap, mas em um teatro nunca cantei. Até a última hora, no camarim, eu não queria cantar”, revelou.

Durante a premiação, agradecidos ao incentivo e à persistência de Eliane, o trio deu o troféu a ela.

“No início, era só um trabalho da escola. Eles ganharam em autoestima, autoconfiança, surpreenderam-se com eles mesmos. São um exemplo de que podemos mais do que pensamos”, ressalta Eliane.

 

Letra da música “180”

Ela acordou, sentou no sofá
Pensou na vida e decidiu caminhar
Cheia de problemas com a cabeça pequena
Com casa, contas e filho para cuidar
Como muitas por aí ela queria ser amada
Mas ela abriu a porta e decidiu caminhar
Mas ela abriu a porta aaa
Mas ela abriu a porta e decidiu que queria brilhar
Ela abriu a porta
E ela abriu a porta e ajeitou o cabelo
Quando viu ela saindo ele entrou em desespero, mano!
Presta atenção, aquilo era um pesadelo
Ela a prisioneira e ele o carcereiro, negô!
Ele batia e ela sofria calada
Tempo passou e ela inventou a jogada
Viu que não queria, tinha que ser diferente
Ele fazia e se pagava de inocente
Estava cansada de sofrer todos os dias
E só de pensar a lágrima já escorria
Mas conseguiu com muito suor na testa
Ontem era sofrimento e hoje em dia é só festa
Mas ela abriu a porta e decidiu caminhar
Mas ela abriu a porta aaa
Mas ela abriu a porta e decidiu que queria brilhar
Ela abriu a porta

 

Prefeitura de Balneário Camboriú
Fundação Cultural
Texto: Silvana de Castro (jornalista)
Foto: Celso Peixoto/ Divulgação FCBC
Assessoria de Comunicação: (47) 3366-5325

www.culturabc.com.br

facebook.com/fundacaocultural

www.balneariocamboriu.sc.gov.br

facebook.com/prefeituradebalneariocamboriu

instagram.com/prefbc

 

Matérias similares

No related posts found.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *