Curta-metragem “A terra estranha a língua de quem lhe cava” estreia neste domingo (20) no Teatro Bruno Nitz

Curta-metragem “A terra estranha a língua de quem lhe cava” estreia neste domingo (20) no Teatro Bruno Nitz

a-terra-estranha-cartz_matias-bx

O curta-metragem “A terra estranha a língua de quem lhe cava” será exibido no domingo (20), às 20h30min, no Teatro Municipal Bruno Nitz, em Balneário Camboriú. A entrada é gratuita.
Patrocinado pela Lei de Incentivo à Cultura do município (LIC), o filme trata do processo de colonização que tenta sepultar a cultura dos indígenas, os primeiros habitantes do Brasil.

O projeto do curta-metragem foi proposto pela fotógrafa e produtora audiovisual Dagma Castro. Com 14 minutos de duração, o curta foi filmado em um sítio de Camboriú. O conflito entre não indígenas e indígenas desenvolve-se, na trama, por meio dos personagens Mathias e Beni. Mathias, interpretado pelo ator Luciano Estevão, mora num casebre isolado na floresta. Acostumado com a solidão, Mathias perturba-se com uma oca que surge nos arredores da propriedade. A oca é de Beni, interpretado pelo professor kaingang Jocemar Kovenh. Descontente com a presença do vizinho, Mathias quer afastá-lo de perto do casebre. Misteriosamente, um limite invisível forma-se entre os dois, impedindo a ofensiva de Mathias e dando vazão aos instintos mais obscuros dele.

Na estreia do curta, os atores Luciano Estevão e Jocemar Kovenh estarão presentes e conversarão com o público. A direção e o roteiro são de Rafael Sylos, de São Paulo (SP). O argumento e o roteiro foram desenvolvidos em 2012, ano em que uma carta aberta dos Guarani-Kaiowá expôs a declaração de que indígenas estabelecidos em uma área de Mato Grosso do Sul estavam dispostos a morrer caso a justiça oficializasse a reintegração de posse em favor de fazendeiros.

Em “A terra estranha a língua de quem lhe cava”, o espectador é convidado a confrontar elementos que mostram a figura do homem branco como opressor da cultura nativa. O personagem Mathias simboliza o desejo de dominância e a ideia de que a destruição leva ao progresso.

A produção do curta durou oito meses, incluindo as etapas de pesquisas e de finalização. Para aprofundar-se sobre as etnias mais presentes nas regiões Sul e Sudeste do país, a equipe esteve na aldeia Vanuíre, em Tupã (SP), e M’Biguaçu, comunidade Guarani M’byá localizada em Biguaçu (SC). As viagens também objetivaram identificar rituais, instrumentos musicais, adornos e construções que pudessem ser introduzidos no filme. Para criar a oca de Beni, que mede 2,50 metros de altura e tem 3 metros de diâmetro, a cenógrafa Celi Pará pesquisou o método construtivo usado pelos indígenas.

As filmagens ocorreram em maio e junho. O projeto envolveu diretamente 25 profissionais. Indiretamente, foram mais de 50 pessoas.
Mais informações com Dagma Castro, pelo fone (47) 99677-6048.

Agende-se
O que: curta-metragem “A terra estranha a língua de quem lhe cava”
Quando: domingo (20), às 20h30min
Onde: Teatro Bruno Nitz
Quanto: entrada gratuito
Classificação: 12 anos

Prefeitura de Balneário Camboriú
Fundação Cultural
Texto: Silvana de Castro (jornalista)
Foto: Divulgação FCBC
Assessoria de Comunicação: (47) 3366-5325

www.culturabc.com.br
facebook.com/fundacaocultural
www.balneariocamboriu.sc.gov.br
facebook.com/prefeituradebalneariocamboriu
instagram.com/prefbc

Matérias similares

No related posts found.

One comment

  • Luiz António hecker kappel 21 de novembro de 2016 at 09:10
    “A terra estranha a língua de quem lhe cava” simplesmente espetacular. PARABÉNS A TODOS OS ENVOLVIDOS em especial a DAGUI CASTRO

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *